Oshi-no-Ie – Hospedarias dos Peregrinos


Por Yuri Yuhara
Fotos da Antiga Residência da Família Togawa

Por séculos, o Monte Fuji tem sido objeto de admiração e adoração pelo povo japonês. Na Era Edo, o Fuji-ko(富士講), religião ascética centrada no culto ao Monte Fuji, tornou-se popular entre cidadãos comuns como comerciantes e agricultores, contribuindo para que o número de peregrinos vindos principalmente da região de Tóquio para Yamanashi com o objetivo de subir o Monte Fuji crescesse consideravelmente.

Para abrigar esses viajantes, ao redor do Monte Fuji diversas residências passaram a servir como hospedarias. Conhecidas como Oshi-no-Ie (御師の家), nesses locais os viajantes podiam se alimentar, descansar e purificar o corpor e alma antes de iniciar a peregrinação.



Oshi(御師) é o termo utilizado para denominar os adeptos do Fuji-ko que se dedicavam à rezas e orações, e também a disseminar a religião. Durante os meses de peregrinação (principalmente julho e agosto), os Oshi abriam suas residências aos fieis, transformando as próprias casas em hospedarias, e nelas eram oferecidas orientação religiosa e instruções para que os peregrinos pudessem enfrentar a escalada de forma segura.



A cidade de Fujiyoshida, por onde se inicia a mais popular rota de escalada do Monte Fuji, abrigava um grande número de oshi-no-ie, principalmente nos arredores do Santuário Kitaguchi Honju Sengen Jinja, ponto de partida para a peregrinação. Embora a tradição de escalar o Monte Fuji a partir de sua base tenha arrefecido desde a abertura da Fuji Subaru Line, estrada que liga Kawaguchiko à 5ª Estação do Monte Fuji, algumas hospedarias existem até hoje, e são utilizadas tantos por seguidores do Fuji-ko quanto por peregrinos de diversos países do mundo, que, assim como os membros do Fuji-ko, encaram a subida ao Monte Fuji como uma forma de purificação espiritual.

Tradicionalmente, os seguidores do Fuji-ko passam por uma purificação e utilizam uma vestimenta branca durante a escalada, que, para a religião, representa a morte e o renascimento daqueles que enfrentam o desafio. Por esse motivo, a vestimenta assemelha-se e é amarrada da mesma forma que amarram-se as tradicionais vestes mortuárias japonesas, com o lado direito sobre o esquerdo.


Ainda hoje é possível encontrar seguidores do Fuji-ko nas trilhas Monte Fuji utilizando a tradicional vestimenta branca, que é confeccionada também nas oshi-no-ie. Ao completar a jornada e retornar às hospedarias, a roupa é carimbada com uma estampa com motivos religiosos, e não é incomum ver peregrinos com diversas delas, representando cada vez que retornaram da montanha.

Com uma história de mais de 400 anos, o Zuzuya é uma das poucas oshi-no-ie  ainda em operação,  e hoje além de receber hóspedes e oferecer informações sobre o Fuji-ko, serve refeições no estilo oshi-no-ie.

Outra opção para aprender mais sobre o Fuji-ko, o Monte Fuji e as peregrinações é visitar a antiga residência da família Togawa, uma antiga oshi-no-ie, preservada nos mesmos moldes do tempo em que se encontrava em atividade e que reúne diversos objetos relacionados à história do Fuji-ko e das peregrinações, como vestimentas dos peregrinos, flâmulas dos grupos que organizavam viagens ao Monte Fuji, estátuas que representam os deuses e fotografias.



Para aqueles que desejam encarar a subida ao Monte Fuji como uma jornada espiritual, visitar uma oshi-no-ie é com certeza a melhor forma de começar a jornada.

Antiga Residência da Familía Togawa(御師旧外川家住宅
Endereço: 3-14-8 Kamiyoshida Fujiyoshida City
Entrada: 100 ienes
Mais informações, em inglês e japonês:



Zuzuya(筒屋)
Endereço: 6-7-3 Kamiyoshida, Fujiyoshida, Yamanashi
Tel: 0555-22-5059



Instagram